Transtorno do Assédio Moral - Bullying



O que é bullying?


Bullying é um termo em inglês utilizado para descrever atos de violência física ou psicológica, intencionais e repetidas, que ocorrem sem motivação evidente, adotadas por um ou mais estudantes contra outro, por um ou mais estudantes contra o professor, por um ou mais professores contra outro  aluno e até entre professores, causando dor e angústia.

São executadas dentro de uma relação desigual de poder. Portanto, os atos repetidos entre iguais  e a confusão do poder que cada um dos mesmos exercem no âmbito escolar, acarretam em desequilíbrio do ambiente escolar, tornando possível a intimidação das vítimas. Não existe uma palavra na língua portuguesa capaz de expressar todas as situações possíveis de bullying, mas alguns comportamentos podem incluir: colocar apelidos, quebrar pertences, ofender, zoar, discriminar, excluir/isolar, intimidar, perseguir, amedrontar, empurrar, bater, chutar, sacanear, dominar, empurrar, roubar e ferir.


- Alvos de bullying – são os alunos que apenas sofrem bullying; - Alvos/autores de bullying – são os  alunos que ora sofrem, ora praticam bullying; - Autores de bullying – são os alunos que só praticam bullying; - Testemunhas de bullying- são  os  alunos que não sofrem nem praticam bullying, mas convivem em um ambiente onde isso ocorre.


Existe algum perfil de  agressores e vítimas?


Os agressores/autores são, comumente, indivíduos que têm pouca empatia. Podem pertencer a famílias desestruturadas, nas quais há pouco relacionamento afetivo entre seus membros. Seus pais podem exercer uma supervisão pobre sobre eles, tolerar e oferecer como modelo, para solucionar conflitos, comportamento agressivo ou explosivo.

As vítimas geralmente não dispõem de recursos, status ou habilidade para reagir ou fazer cessar os atos danosos contra si, pois há um forte sentimento de insegurança que os impede de solicitar ajuda.  Muitos passam a ter baixo desempenho escolar, resistem ou recusam-se a ir para a escola, chegando a simular doenças.


E quais são as consequências para  agressores e vítimas?


Admite-se que os que praticam o bullying tem grande probabilidade de se tornarem adultos com comportamentos anti-sociais e/ou violentos, podendo vir a adotar, inclusive, atitudes delinquentes ou criminosas. Em algumas situações as vítimas de bullying trocam de colégio com freqüência ou abandonam os estudos.  Há jovens que com estrema depressão acabam tentando ou cometendo o suicídio.


Quais são as consequências do bullying no ambiente escolar?


Quando não há intervenções efetivas contra o bullying, o ambiente escolar torna-se totalmente contaminado. Todas as crianças, sem exceção, são afetadas negativamente, passando a experimentar sentimentos de ansiedade e medo. Alguns alunos, que testemunham as situações de bullying, quando percebem que o comportamento agressivo não trás nenhuma conseqüência a quem o pratica, poderão achar por bem adotá-lo. As medidas adotadas pela escola para o controle do bullying, se bem aplicadas e envolvendo toda a comunidade escolar, contribuirão positivamente para a formação de uma cultura de não violência na sociedade.


Como posso identificar se meu filho está envolvido em situações de bullying?


- Ter conversas frequentes com os filhos, perguntando sobre o que acontece na escola;

- Acolher e investigar na escola o que o filho relata;

- Perceber se o filho apresenta sinais de ansiedade e insegurança;

- Verificar se o filho traz para casa pertences de outros colegas;

- Estimular  a empatia, ou seja, a habilidade de se colocar no lugar do outro;

- Estimular a tolerância em relação às diferenças entre as pessoas.